Escolhendo um CMS: Como escolher o caminho certo para o seu site

Divulgação: Seu suporte ajuda a manter o site funcionando! Ganhamos uma taxa de indicação por alguns dos serviços que recomendamos nesta página.


Nos primeiros dias da web, a maioria dos sites era criada usando arquivos HTML – um arquivo para cada página do site. Para alterar o conteúdo dentro de cada página da web, cada arquivo teve que ser editado manualmente. Conforme os sites se tornaram mais sofisticados, essa abordagem se tornou problemática.

Editar muitos arquivos manualmente é claramente um processo lento, pois o conteúdo precisa ser alterado sempre que é exibido. Por exemplo, alterar o rodapé em um site pode significar alterar cada página individualmente. Essa era uma maneira óbvia de introduzir erros no código e, para sites grandes, era impraticável.

Agora, a maioria dos sites usa um banco de dados back-end para armazenar conteúdo, que é onde seu sistema de gerenciamento de conteúdo, ou CMS, entra.

O CMS fornece uma interface segura, amigável e amigável para gerenciar o conteúdo do banco de dados, enquanto reduz o risco de excluir qualquer código crítico que lida com o layout e a estrutura.

Por que usar um CMS?

Existem muitos motivos convincentes para usar um CMS, seja você um webmaster iniciante ou um desenvolvedor web experiente:

  • Edições rápidas. Um CMS permite mergulhar no conteúdo de um banco de dados pela Web (e, em alguns casos, por meio de um aplicativo). Geralmente, você usa um formulário, embora alguns softwares do CMS permitam editar diretamente o conteúdo da página em uma visualização ao vivo.
  • Interação segura com o banco de dados. O CMS ajuda a reduzir edições acidentais, controlando a maneira como você salva e cria seu conteúdo. Isso pode ajudar a impedir que você estrague o banco de dados por acidente, já que você não interage diretamente com ele. Alguns CMSs não usam banco de dados, embora isso seja raro.
  • Composição de conteúdo amigável. Os CMSs oferecem ferramentas de composição de conteúdo e upload de mídia fáceis de usar, além de controles simples de formatação para criar layouts atraentes. A maioria oferece a capacidade de visualizar trabalhos e salvar rascunhos.
  • Gerenciamento de conteúdo acessível. Você não precisa ter conhecimento de HTML para editar seu site se usar um CMS, pois são fornecidas ferramentas de edição e há muito pouco a aprender. Alguns CMSs incluem editores de layout complexos que fornecem ferramentas de composição WYSIWYG ou permitem editar o conteúdo da página em uma exibição ao vivo.
  • Menos contas de web design. Quando você usa um CMS, não precisa entrar em contato com o designer do site toda vez que quiser publicar um novo blog, fazer upload de uma nova imagem ou alterar o conteúdo da página.
  • Gerenciamento familiar de sites. Se você tiver vários sites, seus conhecimentos e habilidades serão totalmente transferíveis para qualquer outro site usando a mesma plataforma – mesmo que funcione de maneira diferente. Isso facilita o gerenciamento de muitos sites, sem a necessidade de aprender diferentes sistemas e ferramentas de gerenciamento.
  • Automação. O CMS pode automatizar certos aspectos da entrega de conteúdo, como a criação de um feed RSS a partir do conteúdo que você cria. Ele também pode agendar postagens para uma data futura, para que você possa empilhar o conteúdo com antecedência, em vez de publicá-lo imediatamente, e alimentar suas contas de mídia social, loja de comércio eletrônico e muito mais.
  • Flexibilidade. Muitos CMSs têm comunidades de usuários bem estabelecidas que ampliam seu alcance e utilidade usando extensões ou plugins. E como o layout e o design são separados, é relativamente fácil “refazer” o site inserindo um novo tema – sem interromper o conteúdo. Alguns CMSs também possuem ferramentas integradas de marketing e fórum por email.

Escolhendo um CMS

Então, você está convencido dos benefícios dos CMSs e está pronto para analisar as opções. Há três coisas que você deve ter em mente ao pesquisar:

  1. O que você já sabe? Se você já trabalhou com o WordPress antes, permanecer no mesmo sistema para o seu próximo site pode aumentar sua produtividade. Se você é um desenvolvedor, a escolha de um CMS básico pode limitar sua criatividade, enquanto o uso de um CMS sem cabeça pode sobrecarregá-lo..
  2. Quais bancos de dados e linguagens de script você planeja usar? Novamente, se você tem experiência em PHP e MySQL, pode ser contraproducente optar por um CMS baseado em Java (por exemplo). Alguns CMSs se prestam naturalmente a servidores Linux ou Windows.
  3. Você precisa de extensibilidade? Muitos CMSs podem ser aprimorados com bolt-ons e plug-ins que podem transformar um blog simples em um site de comércio eletrônico, um fórum ou até mesmo um aplicativo da Web completo. Seus planos para o novo site podem direcioná-lo para um ou dois CMSs que oferecem os módulos de plug-in que você precisa – ou uma maneira simples de desenvolver um novo.

30 CMSs a considerar

Existem centenas de CMSs para escolher, com uma variedade de preços e especialidades entre eles. Aqui estão 30 CMSs conhecidos ou que atendem a um propósito altamente especializado:

  1. WordPress: O WordPress fornece milhões de sites e atualmente é o CMS favorito do mundo. Os usuários do WordPress se beneficiam da configuração simples, facilidade de administração e código que geralmente é bastante seguro. O WordPress é uma boa opção para blogs e sites corporativos e oferece boa extensibilidade além do blog com páginas e plugins.
  2. Drupal: você aproveitará ao máximo o Drupal se tiver experiência em codificação, mas os retornos são enormes. Drupal impulsiona o site da Casa Branca e se beneficia de quase tantos temas e plugins gratuitos quanto o WordPress.
  3. DynPG: um CMS de código aberto gratuito disponível em 5 idiomas, projetado para uso com programas de design de web e edição de imagens. Os usuários podem soltar trechos de código no estágio de design e, em seguida, extrair conteúdo do banco de dados DynPG.
  4. Expoente: outro código aberto, CMS gratuito. O expoente pode lidar com vários usuários e funções, e também permite que as páginas sejam editadas diretamente, eliminando a necessidade de efetuar login em um sistema de painel de back-end.
  5. eZ Publish: este CMS é desenvolvido na estrutura do Symfony e lançado como uma ferramenta de código aberto e gratuita. Ele foi projetado para sites grandes e não é tão amigável quanto algumas das ferramentas CMS mais populares, mas possui várias APIs que tornam o gerenciamento de conteúdo rápido e simples.
  6. DotNetNuke: DotNetNuke, ou DNN, foi desenvolvido para sites corporativos, embora os desenvolvedores possam criar sites sem nenhum conhecimento do ASP.NET. Pode ser hospedado em um servidor Windows ou na nuvem. Há uma edição comunitária gratuita, embora a funcionalidade completa seja reservada para as edições corporativas pagas.
  7. Umbraco: Umbraco é popular entre empresas que já usam o IIS. É de código aberto, utiliza a estrutura .NET e é gratuito para download.
  8. Bricolage: “Projetado para hackers sérios”, o Bricolage foi desenvolvido para personalização e gerenciamento de sites extremamente grandes. Ele incorpora recursos como check-out de arquivo, o que impede que vários usuários trabalhem no mesmo conteúdo.
  9. Tipo móvel: originalmente em pé de igualdade com o WordPress, o Movable Type não conseguiu crescer na mesma proporção, talvez por não ser de código aberto. Codificado em Perl, possui uma comunidade menor de usuários e pode ser menos amigável para iniciantes, em comparação com ferramentas rivais. Criticamente, o Movable Type cria páginas estáticas ou dinâmicas.
  10. b2evolution: o b2evolution toma o gerenciamento de conteúdo e o inverte. Em vez de criar postagens, páginas e outros tipos de conteúdo, o b2evolution usa Coleções para organizar grupos de conteúdo. Possui fórum próprio e ferramentas de marketing por e-mail integradas.
  11. CMSimple: esse CMS incomum não requer um banco de dados de back-end, mas você ainda pode desenvolver vários sites usando layouts e plug-ins de modelo. Tudo sobre este CMS é reduzido, oferecendo uma experiência sem complicações, mas um pouco limitada.
  12. phpWiki: esse CMS permite criar uma biblioteca de informações, usando as informações fornecidas por visitantes e usuários registrados. Aceita a marcação padrão do MediaWiki.
  13. Joomla!: Joomla! nasceu do Mambo CMS, depois que a equipe de desenvolvimento decidiu que o projeto original não estava progredindo no espírito do software de código aberto. Ele foi desenvolvido para configurar sites e intranets da comunidade, embora suas extensões permitam alguma personalização. Iniciantes podem achar a administração complicada.
  14. Magento: milhares de sites de comércio eletrônico são criados na plataforma Magento, disponível em edições gratuitas e pagas. Seu objetivo é diretamente no mercado de comércio eletrônico e pode ser estendido com plug-ins para adicionar diferentes meios de pagamento. No entanto, estender o sistema além de suas funções principais fica caro rapidamente.
  15. MediaWiki: a equipe da Wikipedia originalmente escreveu o MediaWiki desde o início, para lidar com sua enorme biblioteca de conteúdo contribuído pelos usuários. O MediaWiki está disponível em código aberto e pode ser implantado em mais de 200 idiomas.
  16. Moodle: O Moodle é um sistema especializado em gerenciamento de conteúdo, desenvolvido para criar e armazenar materiais de aprendizagem on-line. Toneladas de recursos e ferramentas estão disponíveis.
  17. Django: O Django é um CMS para Python, projetado para ser integrado a outros sites e aplicativos. Possui uma interface de arrastar e soltar para simplificar o gerenciamento e a publicação.
  18. Fantasma: O Ghost é uma plataforma hospedada que alega oferecer mais poder que o Medium, mas menos desordem que o WordPress. Este CMS suporta a sintaxe do Markdown para uma abordagem simples, limpa e organizada dos blogs.
  19. Ao ar livre: esse CMS de código aberto é comercializado em empresas que precisam gerenciar conteúdo on-line e publicar seus próprios processos de negócios. A ênfase está na segurança e colaboração, com variantes no local e na nuvem em oferta.
  20. SharePoint: O principal CMS da Microsoft é um gigante no mundo do gerenciamento de conteúdo, fornecendo desde bibliotecas de documentos até fluxos de trabalho completos do processo. Sua estrutura ampla e natureza colaborativa potencialmente complexa significa que ela é melhor usada em empresas com suporte especializado.
  21. CMS simplificado: esse CMS bem estabelecido é gratuito e de código aberto e foi criado para hospedar sites (em vez de blogs ou sites de comércio eletrônico). Destina-se a desenvolvedores da Web que criam sites para clientes e pessoas que se sentem confortáveis ​​em digitar códigos de tempos em tempos.
  22. Geeklog: Geeklog é um CMS compacto, porém versátil, escrito em PHP e usando MySQL, MS SQL ou PostgreSQL como banco de dados de back-end. Você verá frequentemente o Geeklog agrupado nos instaladores de um clique fornecidos pelo seu host.
  23. Habari: O Habari é um CMS que também foi projetado para criar aplicativos na Web. Os desenvolvedores são incentivados a se envolver e contribuir com sua base de código em evolução. Se você já usa o WordPress, há um importador para transferir seu conteúdo.
  24. PageCarton: este CMS baseado em PHP é gratuito para download e uso e pode ser implantado em máquinas Linux, Mac e Windows. Por ser relativamente novo, ainda está em processo de mudança para uma licença de código aberto.
  25. Prestashop: esse aplicativo de compras possui um CMS integrado que facilita o gerenciamento e a administração de produtos. Você encontrará a maioria de suas funções na seção Back Office, em Ferramentas.
  26. Textpattern: os web designers aproveitarão a facilidade de personalização do Textpattern. Os temas podem ser adaptados facilmente, e há uma biblioteca de plugins para outras extensões.
  27. Acaso: projetado principalmente para blogs, o Serendipity é ideal para diários e revistas. Há uma pequena biblioteca de modelos – apenas 80 – e uma pequena bolsa de plugins para brincar. Embora seja simples, um pouco de conhecimento técnico ajudará muito.
  28. SilverStripe: combinando a funcionalidade CMS e sua plataforma de codificação, o SilverStripe foi projetado para criar conteúdo e código lado a lado.
  29. Shopify: O Shopify é provavelmente um dos criadores de sites de comércio eletrônico mais conhecidos do mundo, e sua funcionalidade CMS simplifica o gerenciamento. Ele cria listagens otimizadas para SEO, gerenciamento de arrastar e soltar e estatísticas sobre sua loja diretamente no painel.
  30. Concreto5: esse CMS permite editar o conteúdo in situ no site ao vivo, sem o trabalho de trabalhar em um painel ou formulário hostil. Possui uma biblioteca de plugins e uma seleção de temas para você começar.

Sumário

Se você não estiver usando um CMS para gerenciar o conteúdo do site, fazer a troca certamente economizará tempo e dinheiro. A chave é escolher a ferramenta certa para o trabalho e escolher um CMS que esteja alinhado com as funções, extensões e flexibilidade necessárias..

Leitura e recursos adicionais

Temos mais guias, tutoriais e infográficos relacionados ao desenvolvimento e gerenciamento de sites.

Guia definitivo para hospedagem na web

Confira nosso Ultimate Guide to Web Hosting. Explicará tudo o que você precisa saber para fazer uma escolha informada.

Guia definitivo para hospedagem na web

Jeffrey Wilson Administrator
Sorry! The Author has not filled his profile.
follow me
    Like this post? Please share to your friends:
    Adblock
    detector
    map